Diário do Golpe

Marília concentra áreas de lazer abandonadas

Entre os espaços existe projeto do Governo Federal que mal foi iniciado

Marília conta com diversos equipamentos esportivos abandonados, alguns deles desativados há quase 10 anos. Os equipamentos não foram reformados, de acordo com a administração, por falta de recursos. Descaso que não se justificaria em obras novas, como o Centro de Iniciação ao Esporte (CIE) que conta com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2 e mal foi iniciado.

Na administração de Daniel Alonso, PSDB, o CIE que é uma obra que conta com recursos do Governo Federal, e Municipal na ordem de R$ 4.689.988,00, e teve início em março de 2017, não saiu da fundação. Localizado ao lado do Parque do Povo, a obra que deveria ser entregue em março de 2018 está atrasada, parada, e sem qualquer previsão de retorno.

Outro espaço que está em condições precárias, é Centro Educacional Municipal, Esportivo e Cultural (Cemesc), por exemplo, foi desativado em 2012. Após isso foi transformado em depósito e em 2017 sofreu um incêndio deteriorando o espaço. Hoje o Cemesc é um imóvel que serve de depósito de lixo, pneus velhos, e móveis deteriorados.

Também seguem em condições semelhantes o Poliesportivo Tata Skate, que está com obstáculos quebrados, corrimão torto, mesas quebradas e o bebedouro só tem uma torneira funcionando; e o Poliesportivo Comunitário Integrado Olício Gadia, o Vila Altaneira, o telhado cedeu há alguns anos, as pistas de bochas estão abandonadas, e é mais uma opção a menos a ser ocupada.

Fonte: G1

Tags
Veja mais
Close